Olá pessoal querido, tudo bem?

Hoje vim falar sobre como foi minha experiência com o Tam Fidelidade / Multiplus, ainda falando sobre a viagem que fiz pra Nova York no ano passado. O motivo de eu ter ido pra lá era comprar o meu vestido de noiva, aproveitando que eu tinha essas milhas para usar e que o valor que eu gastaria aqui praticamente pagaria toda a viagem.

Eu estava com pouco mais de 40.000 milhas, que é a pontuação mínima para conseguir uma passagem de classe econômica com origem na América do Sul e destino na América do Norte por esse programa, considerando ida e volta – cada trecho a 20.000 milhas. A pontuação mínima para o programa Smiles, por exemplo, acabou de mudar de 50.000 para 70.000.

Acompanhando pelo site da Tam Fidelidade, não conseguia encontrar nenhuma passagem apenas pelas 40.000 – não me recordo qual era o mínimo, mas acho que estava em 80.000. Eu não estava disposta a transferir mais pontos do cartão para pagar a pontuação que estavam pedindo pelo site, até que recebi uma dica muito preciosa.

Parece-me que no site da Tam Fidelidade (corrija-me se eu estiver errada!), eles só disponibilizam vôos da própria Tam para emitir passagens com milhas. Mas que, se você ligar para a Central de Atendimento, você passa sua origem, destino e datas, e o atendente busca uma passagem com as companhias parceiras, testando outras opções de datas e conexões, tentando adequar a disponibilidade deles à sua necessidade e à sua pontuação (respeitando as pontuações mínimas, é claro).

Quanto maior a antecedência, melhor. No meu caso, eu consegui emitir em maio uma passagem que eu usaria só em novembro, um exemplo de que a antecedência de 6 meses me favoreceu. Entretanto, foram necessárias várias tentativas e combinações de datas até chegarmos no resultado final, pois quando a atendente conseguia um voo, não conseguia outro, e assim foi até conseguirmos. Para terem uma ideia, meu roteiro inicial era: Porto Alegre – Florianópolis – Rio de Janeiro – Charlotte – Newark – Charlotte – Guarulhos – Porto Alegre, no Brasil pela Tam e nos Estados Unidos pela US Airways. Até aí tudo bem, pois mesmo sendo “pinga-pinga”, eu estava feliz de ter conseguido emitir a passagem e concretizar meu desejo de comprar meu vestido nos EUA.

Meses depois, ao se aproximar da viagem, comecei a receber avisos de alterações nos vôos com alguns minutos de diferença, até que, alguns dias antes da viagem, os vôos Charlotte – Newark e Newark – Charlotte foram cancelados. Liguei novamente para a Central de Atendimento, já receosa de não conseguir mais passagem (nessa altura do campeonato, minha mãe e minha prima também estavam indo – em outro vôo – e já tínhamos tudo pago e reservado).

Para a minha felicidade, por ser uma alteração involuntária, tudo melhorou. Eles acabaram me colocando (e provavelmente arcando) num voo direto, com roteiro final: Porto Alegre – Guarulhos – Newark – Guarulhos – Porto Alegre pela United. Nos mesmos dias e horários, mas tudo com duração inferior, podendo ir mais tarde para o aeroporto e chegando em Nova York ou em casa bem cedinho no outro dia. Para melhorar, ainda ganhei um upgrade para a a classe Economic Plus da United, que é um assento com maior espaço entre as poltronas que as pessoas geralmente pagam a mais por isso.

Fiquei bem satisfeita com o atendimento do pessoal da Tam, que não mediu esforços para conseguir uma passagem pra mim, nem na primeira vez que liguei com meus suados míseros 40.000 pontos, nem da segunda vez já quase desesperada. Também gostei muito de voar pela United, como contei no meu vlog dessa viagem, mas isso vai ser assunto para outro post, certo?

Um beijo,

Gabi.

 

IMG_4630_edit