Tag: Londres

Diários de Londres #6 – Primeiro dia de aula!

Na segunda-feira acordei junto com a Leila, tomamos um café e saímos. Ela para o trabalho em Canary Wharf e eu para a escola de inglês em Holborn. Para ir aqui de casa para lá é bem simples: pego um DLR em direção sul até Poplar, troco de plataforma, pego DLR para Bank, lá troco pela Central Line (linha vermelha) e ando 4 estações até Holborn.

O mundo está ficando pequeno. No domingo encontrei o Arthur, meu colega de 2º grau, trabalhando no Guanabara. No primeiro dia de aula, encontro um amigo de infância do meu irmão, o Ricardo, na minha turma. Ele já está aqui faz alguns meses e daqui a pouco já vai embora.

A aula foi ótima! O meu professor é super bacana, um inglês gente boníssima chamado Robert, ou Rob. A turma é pequena, são uns 10 colegas – sendo só eu e o Ricardo de brasileiros. O resto é japonês, chinês, coreano, francês, espanhol, peruano, mexicano e outros lugares latinos. O nível de inglês geral é bom, mas tem gente bem fraca, e gente com inglês muito bom, como o Ricardo. Eu fico pelo meio, mas devo melhorar logo.

Apesar de serem 3 horas, passou bem rápido. Uma moça que organiza as atividades culturais da escola entrou no meio para falar da programação da semana. Fiquei bem empolgada, eles fazem days trips para cidades próximas e conseguem preços muito bons para musicais e peças de teatro. Vou escolher alguma coisa para fazer com a escola e ver se faço alguns amigos.

Fiquei um pouco pela escola, usando a internet, e depois, saindo de lá, passei em um mercado que tem na esquina, o Sainsbury’s, e comprei um sanduíche e um suco de almoço. Depois, fui a pé pela New Oxford Street até Tottenham Court Road para dar uma olhada nos preços dos eletrônicos. As coisas aqui não são tão caras, mas o preço da libra não colabora em nada. Enquanto eu não estiver trabalhando, o dinheiro que tenho veio de reais, então tem que ser tudo bem ponderado.

Depois de saber que a Leila já tinha saído do trabalho, fui encontrá-la em Canary Wharf. De lá, fomos em um supermercado que fica a algumas estações de metrô dali, em Crossharbour. O Asda é uma rede de supermercados econômica, com vários produtos de marca própria bem baratinhos. Fiquei impressionada com um pacote de massa tipo miojo a 0,20p, entre outras ofertas incríveis.

Ajudei a Leila com as compras e ainda fiz umas pra mim (comida congelada, iogurte, bolachas, água, etc.). Não quis comprar muita coisa até que eu tenha um lugar definitivo pra ficar e não ter que carregar tudo sozinha na mudança. Adorei esse super! Tem também uma lanchonete bem em conta, uma farmácia e caixas eletrônicos.

Fomos para casa, guardamos as coisas, tomamos banho, jantamos um lanchinho e descansamos (já que o findi tinha sido intenso). Contatei alguns lugares para alugar quarto e durante a semana vou conhecer pessoalmente. Se gostar de algum, devo me mudar logo.

Diários de Londres #5 – Conheci a Harrod’s!

O domingo acordou com um tempinho ruim, estava nublado com cara de chuva, friozinho. Ficamos dormindo até mais tarde e depois a Leila fez um almocinho básico pra gente (arroz branco e fish fingers). Nos arrumamos e fomos dar uma volta.

Leiloca quis ir na Harrod’s por causa da chuva. Fomos até a estação de Knightsbridge e andamos até lá. Por fora, o prédio é lindíssimo! Passeamos por essa loja enorme que vende de tudo. Foi incrível poder chegar perto daquelas roupas, vestidos, sapatos e bolsas de grife carérrimas que só vimos nas revistas e na tevê. Infelizmente, nada para o nosso bolso.

No subsolo tem uma homenagem à Princesa Diana e o Dodi al-Fayed, filho do dono, Mohamed al-Fayed, em função da morte do casal no trágico acidente em Paris. Esse senhor até hoje luta na justiça para reabrirem o caso por acreditar que o acidente tenha sido encomendado pela coroa.

Esse aí é o dono da Harrod's, Mohamed al-Fayed.
Esse aí é o dono da Harrod’s, Mohamed al-Fayed.

Depois, fomos no Guanabara, um bar brasileiro perto de Covent Garden. Nos domingos por lá é dia de forró. E eu pensava que estaria cheio de brasileiros – ledo engano! É cheio de gringos, tentando se divertir como os brasileiros. Tem brasileiro, claro, principalmente no serviço. Até encontrei um ex-colega de colégio, o Arthur, que trabalha lá, muita coincidência!

Tomamos umas caipirinhas e sentamos em uma mesa grande com uma turma de ingleses, onde finalmente pude praticar meu inglês com locais! Bebemos, nos divertimos, conversamos, fizemos amizades! Adorei o Guanabara, um clima muito bacana! (Até tem umas pessoas, digamos assim, suspeitas – que devem estar lá ilegalmente em profissões duvidosas -, mas todo mundo se divertindo de buenas.)

DSC00159
Em casa no Guanabara!

Voltamos ainda no brilho da caipa, mas a tempo de pegarmos o metrô, já que não podíamos abusar pois o dia seguinte era segunda-feira. Eu começava as aulas e a Leila trabalhava cedo. Indo pra casa, não resisti tirar uma fotinho nesse grand jeté nos corredores do metrô.

Diários de Londres #4 – Sábadão em Notting Hill!

DSC00143

Então já era sábado e a Leila não trabalha no final de semana. Fomos passear por Notting Hill, onde todo sábado tem a famosa feirinha Portobello Market. Descemos na estação e tomamos um café por lá mesmo. Depois começamos a adentrar a Portobello Road e percebi as lojinhas, brechós e boutiques que fazem a fama do charmoso bairro.

As casinhas coloridas, um amor!
As casinhas coloridas, um amor!

As casas são uma graça, uma de casa cor, ou ruas intermináveis de casinhas brancas iguais, tudo muito tradicional e muito limpo. Moraria lá certo. Quando começa o mercado, aí sim começa a bagunça. A feira reúne multidões nos finais de semana.

DSC00144

No início, são diversas lojas tipo brique, com muitas antiguidades, louças e pratarias. Depois vem o mercadão, com diversas frutas e verduras, comidas de rua, comidas étnicas, temperos, pães, doces, comida caseira, etc. A sequência vira território livre! Gente vendendo tudo que é coisa e badulaques, desde souvenirs, até artigos para casa, cosméticos, coisas da China, roupas, óculos de sol, etc. Concorrência forte com os camelódromos do Brasil, mas com um charme londrino – sempre tem um cheirinho de algo sendo feito na hora pelas barraquinhas de comida e uma música ao vivo dos diversos artistas de rua.

O brique!
O brique!

Dali almoçamos no McDonald’s (note como ando saudável) e seguimos para Queensway, uma estação que tem umas lojinhas brasileiras onde a Leila queria comprar algumas coisas. Na mesma rua adentramos o Queens Ice and Bowl, um pequeno complexo de boliche com um rinque de patinação de gelo.

Por 10 libras, patinamos por 1 hora. Foi divertidíssimo, mas minhas canelas estão doendo até agora! Não cheguei a cair e por isso ri muito dos estabanados que haviam por lá. O lugar é pequeno mas não tinha tanta gente então foi bem tranquilo e deu pra curtir bastante!

Depois fomos pra casa nos arrumar, pois era sábado, né? Então a gente queria cair na night! Nos empiriquitamos e fomos no Walkabout perto de Leicester Square. Chegamos lá perto das 19h e conseguimos pegar uma mesa. Comemos uns petiscos e bebemos snake bite (uma cerveja misturada com groselha vendida em jarras).

O Walkabout é uma rede australiana de bares que tem Londres em diversos bairros. O esquema é o mesmo: até certa hora está todo mundo sentado vendo algum esporte, tomando drinks e comendo, depois, do nada, o pessoal arrasta as mesas e cadeiras para os cantos, o DJ começa a tocar as músicas mais bombadas no maior volume e o lugar vira uma night pegada.

Curtimos muito, dançamos até não aguentar mais as pernas (e os pés, no meu caso). Nunca mais saio de salto aqui, ninguém sai de salto aqui. É pedir pra sofrer! Como usamos sempre o transporte público, também caminhamos muito pela cidade, inclusive à noite. Depois de tudo isso ainda esperamos um tempão na parada de nightbus para voltar pra casa (o metrô não funciona de madrugada). Fiquei com o pé bem machucado, mas aprendi a lição.

Deu tudo certo, mais um dia incrível aqui em Londres!

Diários de Londres #3 – Assisti ao Royal Ballet!

A sexta-feira chegou e acordei junto com a Leila para sair. Tomamos um café da manhã em casa (iogurte, pão e frios) e fomos de DLR até onde fica o trabalho dela para eu saber onde é. Fica em Canary Wharf, um bairro cheio de prédios altos e espelhados onde funciona o novo centro financeiro da cidade. Tudo muito novo em uma área de docas revitalizada, adorei! E fica a apenas algumas estações do apartamento.

De lá, segui de metrô até a estação Liverpool Street, e depois a pé até a Admiral Group, uma agência de empregos temporários indicada por amigos. Fiz um cadastro e uma entrevista e agendei para a próxima semana um curso de Saúde e Segurança que vai me possibilitar trabalhar para eles. Foi tranquilo e fiquei bem feliz de eles terem me aceitado e achado meu inglês suficiente.

Almocei um sanduíche no Pret a Manger (outra rede daqui) que tem ali perto da agência e segui de metrô para Covent Garden, para realizar mais um sonho antigo. Desci na estação e caminhei mais um pouco para onde já conseguia avistar aquele prédio branco, grande e lindo. A Royal Opera House estava, finalmente, ali na minha frente.

Dei a volta pela rua lateral do teatro pois queria entrar pela entrada principal. Fiquei parada um tempo ali observando aquelas portas de vidro e os cartazes anunciando os espetáculos. Algumas coisas por aqui me causam uma sensação avassaladora, e essa visão foi mais uma delas. Eu lá, sozinha, em Londres, na frente daquele teatro que por tantas vezes vi nos ballets das minhas fitas VHS, prestes a entrar naquele santuário de tantos bailarinos incríveis.

Nada me decepcionou. O teatro é antigo, mas é super moderno, uma mistura incrível. Circulei aonde podia, no saguão, corredores e lojinha, peguei alguns livretos e panfletos gratuitos e parei em frente a bilheteria. Naquela noite tinha apresentação de O Lago dos Cisnes. Eu já tinha visto a programação antes de sair do Brasil e sabia que estava em temporada, mas não me recordava os dias, horários e espetáculos.

Não resisti e comprei um ingresso de 15 libras para aquela apresentação. Foi só o tempo de voltar para a casa da Leila, tomar um banho, me arrumar e voltar para Covent Garden. Quando cheguei ao teatro, pude notar a eficiência britânica. O serviço é impecável, tem ajudantes espalhados por todos os lugares para te ajudar a chegar no assento comprado.

Comecei a subir as escadas, notando as fotos nas paredes, o tapete vermelho por tudo, a tranquilidade das pessoas (tipo “vamos ali assistir ao melhor ballet do mundo?”). Tudo muito civilizado e bonito. Peguei um programa e entrei no teatro.

Lá em cima no mezanino, onde ficava meu assento, já pude enxergar a decoração daquele espaço maravilhoso – tudo em vermelho e dourado, uma lindeza só. Quando me sentei, é que percebi a famosa cortina em veludo vermelho com as inscrições em dourado E&R que milhares de vezes vi pela televisão nos ballets. Quando as luzes diminuíram e orquestra começou a tocar, não contive a emoção de estar ali. Foi demais pra mim. É demais pra mim. Ainda não acredito que estou aqui, como se prestes a acordar de um sonho.

Pelos vários atos que se passaram (O Lago é um ballet longo), as horas foram rápidas demais. Curti cada segundo daquele espetáculo e vou me lembrar para sempre desse sentimento. Foi tudo muito: o teatro é maravilhoso, o ballet é legendário, os bailarinos impecáveis, os cenários e efeitos incríveis e a orquestra ao vivo um arrepio emocionante!

Saí de lá nas nuvens! Mas, como o espetáculo era comprido, já estava quase na hora do metrô fechar. Corri para pegar uma estação aberta e cheguei em casa bem. Pensei em boa parte do trajeto em como é difícil se desapegar do medo, já que no Brasil eu jamais estaria andando sozinha naquela hora de transporte público. Aqui é muito tranquilo e seguro, apesar de eu não conseguir me descuidar.

Assim encerrei mais um dia de sonho nessa cidade linda, pensando em como vai ser incrível a quantidade de coisas que eu ainda vou ver e fazer por aqui.

Diários de Londres #2 – Meu primeiro dia aqui!

Acordei na quinta-feira com o sol no rosto. O quarto estava uma claridade absurda, pois a janela não tinha uma cortina nem uma persiana. Fui olhar as horas: 6h. Como está chegando o verão aqui, os dias são bem longos.
Não tinha mais sono. Só tinha vontade de levantar e começar a viver essa aventura maluca que é morar aqui. Me vesti e saí logo do albergue.

Dei de cara com uma Piccadilly Circus deserta, completo oposto do agito da noite anterior. Ainda era cedo e apenas algumas pessoas caminhavam com pressa para chegar ao trabalho. Parei um pouco para observar aquele lugar. Já era dia, mas o sol ainda não havia penetrado ali, escondido atrás daqueles prédios antigos.

Estava um pouco mais frio do que eu imaginava. Entrei em um McDonald’s onde tomei um café quentinho com donut e bisbilhotei num jornal, desses gratuitos que distribuem por aqui no metrô, que estava em uma mesa. Voltei para o hostel, coloquei calça e jaqueta (eu tinha colocado um vestido antes), organizei as minhas coisas e fechei a mala. Desci para fazer o check-out e deixar a mala no locker do albergue para passar o dia.

Desci para a estação de metrô e comprei um passe ilimitado de transporte, o Oyster Card, para uma semana. Parei para me situar e organizar o caminho que eu precisava fazer. Descobri rapidamente a lógica daquela teia de aranha que é o mapa do metrô de Londres e já saí para procurar a linha e sentido que eu precisava.

Depois da emoção de andar no metrô londrino pela primeira vez, cheguei na delegacia em Borough para fazer o registro obrigatório a todos os estudantes que ficarão aqui por mais de 6 meses, como eu. Esperei um pouco mas foi tudo bem eficiente e tranquilo.

Saindo de lá, voltei ao metrô novamente para ir à minha escola. A The English Studio fica bem em frente à estação de Holborn, onde passa a Central Line, então vai ser muito bom e muito fácil circular por ali. Fiz o teste de inglês e fiquei no nível Advanced. Terei aulas de segunda à sexta das 9 às 12h.

Também já encaminhei meu pedido para abertura de conta corrente no Barclays, um banco daqui para eu receber meu futuro salário, e o meu passe de estudante para o transporte, que tem um descontão. Saindo dali, sentei para almoçar um sandubão de baguette no Eat. – uma rede daqui. Depois, saí caminhando meio sem rumo e explorando o que encontrava pela frente.

DSC00121
A famosa cabine vermelha! Tem por tudo, aqui!

Fui na direção sul e encontrei uma pequena igrejinha, chamada St. Clement Danes, já na avenida The Strand. Uma graça. Entrei, sentei no banco para admirar o interior dela e depois agradeci por estar aqui, por estar bem e por todas as coisas boas dessa vida.

Cheguei na estação de Temple e subi num terraço que tinha ali. Tive uma grata surpresa ao me dar conta que eu já estava na beira do Rio Tâmisa e já avistar a London Eye e o Big Ben. Fiquei por ali absorvendo aquilo tudo por um tempo e depois peguei o metrô ali mesmo para a estação de Westminster, onde eu tinha combinado de encontrar a Leila.

A primeira vez que vi o Big Ben!
A primeira vez que vi o Big Ben!

Mais chocada ainda fiquei quando saí da estação e dei de cara com o Big Ben de novo, mas dessa vez ali, bem pertinho. Estava no pé dele! Mal deu tempo de olhar muito e já encontrei a Leiloca querida. Saímos dali a pé e fomos até Oxford Street botando as conversas em dia e admirando a cidade.

Comprei na T-Mobile um telefone celular rosa bem bonitinho, pré-pago, por 25 libras. Circulamos pelas lojas sem comprar nada e depois fomos até o albergue pegar a minha mala para levarmos para a casa da Leila. Foi aquela confusão no metrô, mas o pessoal é muito gentil e algumas vezes nos ajudaram a carregar escada acima ou escada abaixo, até chegarmos na estação All Saints, onde fica a casa dela.

A região, East London, é bem interessante e diferente do que se imagina de Londres. São pessoas mais simples, de tudo que é tipo e lugar, vários restaurantes e lojas de comidas étnicas, e habitações mais populares. Mulheres de sari e de burca com crianças. Muitos africanos, indianos e muçulmanos, misturados com ingleses mais humildes. É uma região mais pobre, mas ainda assim tranquila, segura, razoavelmente limpa e com estrutura de transporte, escola, biblioteca e comércio muito acessível e a 15 minutos do centro.

O prédio da Leila fica num calçadão bem em frente à estação do metrô (nesse caso, DLR), então é só atravessar a avenida. Também tem um mercado de rua e um mercado Sommerfield bem no final da quadra, o que facilita bastante a vida. O único problema é que enquanto eu ficar aqui eu não terei a chave do apê, assim ainda dependo dos horários da Leila para vir pra casa. Mas a gente dá um jeito e ela está sendo uma amiga maravilhosa, uma irmã pra mim, muita sorte ter alguém assim logo na chegada.

A Leila aluga um quarto bem espaçoso com armário embutido e uma cama de casal. Vou ficar com ela até conseguir outro lugar para morar. No apartamento moram ainda um mexicano e um africano em cada quarto e três italianas que dividem o cômodo que seria a sala. Temos uma cozinha e um banheiro de bom tamanho para uso comum.

Tomei um banho, acomodei um pouco das minhas coisas e fomos num pub perto de Bank. Lá jogamos muita conversa fora, comemos umas batatinhas e tomamos uma cerveja. Depois voltamos para casa e dormimos, encerrando mais um dia maravilhoso e cheio de descobertas em Londres.